Missão e Visão Estratégica

 

Mais representatividade para o comércio atacadista na economia gaúcha

Com sede em Porto Alegre, o Sindiatacadistas, resultado da união de sete sindicatos, exerce a representatividade legal das empresas do comércio atacadista em defesa de seus interesses, fortalecendo a categoria e contribuindo para o crescimento da economia regional e nacional.
 
Os sindicatos são representantes do setor no Ministério do Trabalho e Emprego e o Sindiatacadistas é filiado à Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do RS (Fecomércio/RS) e à Confederação Nacional do Comércio (CNC).
 
Conheça as 7 entidades:
 
• Sindicato do Comércio Atacadista do Estado do Rio Grande do Sul;
 
• Sindicato do Comércio Atacadista de Gêneros Alimentícios de Porto Alegre;
 
• Sindicato Intermunicipal do Comércio Atacadista de Materiais de Construção, Louças, Tintas, Ferragens, Vidros Planos, Cristais, Espelhos, Agregados de Concreto, Sucata de Ferro, Ferros Planos e Ferros Não Planos do Estado;
 
• Sindicato do Comércio Atacadista de Tecidos, Vestuário e Armarinho de Porto Alegre;
 
• Sindicato do Comércio Atacadista de Produtos Químicos para a Indústria e Lavoura e de Drogas e Medicamentos de Porto Alegre;
 
• Sindicato do Comércio Atacadista de Madeiras de Porto Alegre;
 
• Sindicato do Comércio Atacadista de Álcool e Bebidas em Geral no Estado do Rio Grande do Sul.
 
 
MISSÃO 
Representar e orientar as empresas do setor atacadista para a geração de resultados sustentáveis. 
 
VISÃO 
Ser a principal referência na representação e desenvolvimento das empresas do comércio atacadista no Rio Grande do Sul. 
 
PRINCÍPIOS
A gestão da cultura organizacional do Sindiatacadistas está ancorada nos seguintes princípios:
• Ética e transparência
• Organização
• Respeito às diversidades
• Comprometimento
• Responsabilidade pelo todo
• Pró-soluções
• Busca da harmonia
• Sustentabilidade 
 
BANDEIRAS DEFENDIDAS 
 
O Sindiatacadistas atua no aprimoramento e desenvolvimento da gestão do setor com foco na defesa das bandeiras: 

- Gestão pública eficiente e eficaz; 

- Racionalização dos tributos; 

- Equilíbrio na relação capital e trabalho; 

- Fomento ao empreendedorismo; 

- Formalização; 

- Longevidade das empresas; 

- Qualidade de vida; 

- Educação para o trabalho.